busca
| | |




Você está em
autor Pedro Paulo
08/09/2010 09:32:03 - Atualizado em 08/09/2010 09:32:28 cadastre sua notícia/anúncio grátis

Notícias Notícia

Pobres humanos a mercê das feras (o caso javali)

 

ABSURDA E HIPÓCRITA DECISÃO


É  um absurdo que o ibama proíba o colono de defender-se e defender sua lavoura, proibindo a matança de animais exoticos sem dono como esses javalis, introduzidos no Sul e Sudeste do Brasil; isso é uma discrepância do "politicamente correto", frouxidão burocrática mesmo. 

O javali, como exótico está afugentando o caititu e o porco queixada, botando pra fora o veado e competindo com as pacas, além de começar a matar pessoas. 

Esses burocratas de gabinete nada entendem; se fosse aqui no Pará, esses javalis já estariam extintos.
 
Esses animais vieram para o Brasil para serem criados em cativeiro e a cultura não deu certo, um fiasco. os animais foram então abandonados e estão destruindo o que encontram pela frente, sua reprodução é espantosa, mas o IBAMA quer preservar os dóceis bichinhos.
 
Um agricultor foi morto por um desses bichinhos indefesos. 

 

 

 (1)Ibama proíbe matança do javali para controle populacional

  (2)Agricultor é morto após ataque de javali em Minas Gerais

 

_____________________________________________________

Veja as matérias: 

(1)Ibama proíbe matança do javali para controle populacional

 

CHRISTINA MACHADO
DA AGÊNCIA BRASIL, EM BRASÍLIA



Uma instrução normativa, publicada no Diário Oficial da União  (18/08/2010), revogou uma norma do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que autorizava a matança de javalis para seu controle populacional.

 

 


O javali e seus híbridos exóticos são considerados animais invasores e nocivos às espécies nativas, aos seres humanos, ao meio ambiente e, principalmente, à lavoura agrícola.


Por isso, o controle é autorizado em caráter emergencial e circunstancial, em algumas ocasiões, para preservar as safras.


A instrução normativa prevê ainda um grupo de trabalho, que terá de apresentar e definir propostas para melhorar a eficiência do controle e elaborar alternativas para minimizar os impactos desses animais.


O grupo terá representantes das superintendências do Ibama nos Estados do Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Acre, Maranhão, de Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e da Bahia.

 

Javali, espécie cujo abate para controle populacional volta a ser proibido pelo Ibama
Javali, espécie cujo abate para controle populacional volta a ser proibido pelo Ibama

 

 

(2)Agricultor é morto após ataque 
de javali em Minas Gerais

 


Um agricultor de 40 anos foi morto após um ataque de javali na última sexta-feira (6) em Ibiá, cidade a 324 km de Belo Horizonte, em Minas Gerais. O homem tentava matar o animal quando foi atacado e levou uma mordida na perna.

Um homem que passava perto do local a cavalo viu a cena e abateu o javali. O agricultor foi socorrido e levado ao hospital, mas não resistiu à hemorragia na perna causada pelo ataque.

O javali, que não é uma espécie originária do país, estava em uma fazenda de criação na região. No entanto, o negócio não deu certo e os animais estavam invadindo as plantações vizinhas e estragando a produção.

Um agricultor de 40 anos foi morto após um ataque de javali numa sexta-feira (6/08) em Ibiá, cidade a 324 km de Belo Horizonte, em Minas Gerais. O homem tentava matar o animal quando foi atacado e levou uma mordida na perna.

Um homem que passava perto do local a cavalo viu a cena e abateu o javali. O agricultor foi socorrido e levado ao hospital, mas não resistiu à hemorragia na perna causada pelo ataque.

O javali, que não é uma espécie originária do país, estava em uma fazenda de criação na região. No entanto, o negócio não deu certo e os animais estavam invadindo as plantações vizinhas e estragando a produção.

 

 

Fonte: diHITT


TAGS divulga



Comentários



Agron © 2017
Agronegócios online
Desenvolvido por Agron sob consultoria especializada criodigital | todos os direitos reservados.