busca
| | |




Você está em
autor Luiz Carlos
12/08/2010 15:22:06 - Atualizado em 12/08/2010 15:22:06 cadastre sua notícia/anúncio grátis

Notícias Notícia

Em julho prevalece a alta importação de arroz

Ainda assim, as exportações são superiores ao esperado, principalmente em quebrados de arroz. O preocupante é que a oferta do Mercosul se concentra no segundo semestre, quando os preços internos tendem a ser maiores
O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC) divulgou nesta terça-feira os volumes de importação e exportação de arroz em julho. E as notícias poderiam ser melhores. As importações de arroz do Mercosul, sobretudo, aumentaram 18% sobre o mesmo período do ano passado, alcançando 115,7 mil toneladas no mês, principalmente de grão beneficiado. A média mensal de compras brasileiras do cereal no exterior, que era de 72 mil toneladas, com isso passou para 81,9 mil toneladas. Já são 409,3 mil/t importadas, quando a Conab estima a compra externa em 950 mil/t e os analistas privados trabalham com números próximos ou superiores a 1,2 milhão de toneladas. Pelos analistas, o Brasil teria alcançado um terço das importações. Pela Conab, pouco mais de 40%.

Os volumes importados de arroz preocupam o mercado, sem dúvida, pois há o caráter histórico de retenção das vendas para o Brasil, pelo Mercosul, para alcançar melhores preços de mercado no segundo semestre. A estratégia é aplicada principalmente pela Argentina, seguida pelo Uruguai. A produção paraguaia não tem muito essa preocupação e mantém fluxo desde os primeiros dias de safra, principalmente para os estados do Paraná e São Paulo. Normalmente o “grosso” das importações chega ao brasil depois de agosto.

A boa notícia é que o Brasil, apesar das barreiras levantadas pelo câmbio e os baixos preços internacionais, ainda consegue exportar mais do que o previsto. Em julho, as vendas para outros países atingiram 53,6 mil toneladas. Esse desempenho, que leva a exportação nacional ao patamar de 228 mil/t no ano comercial, projeta um total próximo de 550 mil toneladas, confirmando projeção já divulgada em julho por Planeta Arroz. O volume é significativamente superior às 400 mil toneladas estimadas pela Conab. A média é de 45,6 mil toneladas por mês, com prevalência dos quebrados para a África, o que reduz os volumes em dinheiro, e parboilizado.

No ano, a balança comercial do arroz é negativa, com as vendas internacionais representando 55,7% das importações. A diferença é de 181,3 mil toneladas.

Fonte: Planeta Arroz


TAGS


Galeria de Imagens


Comentários



Agron © 2017
Agronegócios online
Desenvolvido por Agron sob consultoria especializada criodigital | todos os direitos reservados.