busca
| | |




Você está em
autor Luiz Carlos
02/07/2010 14:47:32 - Atualizado em 02/07/2010 14:49:47 cadastre sua notícia/anúncio grátis

Notícias Notícia

Safra verão 2011 confirmam um novo episódio La Niña

Atenção! Está confirmado. Vem aí um novo episódio do fenômeno La Niña!

Depois de um período de aproximadamente 01 (um) ano com águas aquecidas (El Niño), desde junho se observa um processo de resfriamento das águas do Oceano Pacífico equatorial, indicando o retorno do fenômeno La Niña e alterações no clima já na próxima Primavera. O resfriamento das águas do Oceano Pacífico equatorial deve aumentar gradualmente no decorrer deste inverno, com o La Niña totalmente configurado durante a Primavera e permanecendo durante o verão 2011.  A previsão é de um episódio de intensidade moderada a forte e deve durar pelo menos até o outono de 2011 (ver gráfico abaixo).
 
\"\"
Lembrando ainda que o último La Niña ocorreu no Verão 2007/2008. Porém, dadas as características como intensidade, rapidez na formação e provavelmente duração, o episódio deste ano está muito semelhante com o observado no segundo semestre de 1998 e verão 1999.
 
Veja abaixo os principais impactos da La Niña para o segundo semestre de 2010 e verão 2011:
SOJA: Para a lavoura de soja do Brasil o Fenômeno La Niña tem dois impactos bem caracterizados: Primeiro atrasa o retorno das chuvas no Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste do Brasil. Enquanto para as lavouras do Sul do Brasil e também de Mato Grosso do Sul reduz a incidência de chuva e aumenta o risco de estiagens regionalizadas no verão. Para a safra 2011, portanto, muda o cenário climático, principalmente quando comparado com o observado na safra passada.
O retorno das chuvas este ano deve ocorrer somente no final de outubro e no decorrer de novembro, mesmo assim de forma muito irregular, o que deve implicar no atraso do plantio para as lavouras de Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Bahia, Piauí, Maranhão e Tocantins.  Durante o verão as chuvas nesses estados devem apresentar um comportamento médio, com o risco das chuvas se prolongarem até abril e meados de maio.
Já as lavouras do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e também de Mato Grosso do Sul não devem enfrentar grandes problemas na fase de plantio entre outubro e novembro, porém devem considerar o risco de estiagem durante os meses de verão. Inclusive, a continuidade do La Niña remete para um outono também com chuvas abaixo da média.

MILHO VERÃO: Cenário climático para a lavoura de milho é muito semelhante às condições da lavoura de soja descritas acima. O risco aumenta principalmente para as lavouras do Sul do Brasil em função das estiagens no verão. Porém, para as lavouras do norte/noroeste do Rio Grande do Sul e do oeste de Santa Catarina que são implantadas mais cedo (em agosto) ainda podem se beneficiar das chuvas da primavera, podendo assim escapar do risco de estiagem que aumenta a partir de dezembro e durante o verão.
Para as lavouras de milho do Nordeste do Brasil, incluindo o Agreste e Sertão Nordestino, a presença do La Niña num primeiro momento favorece para um bom período de chuvas ("inverno nordestino") que vai de fevereiro a maio. No entanto, a qualidade do período de chuvas ainda depende das condições do Oceano Atlântico, que no momento ainda não estão definidas. De qualquer forma, o cenário climático para 2011 é bem melhor que o observado na safra deste ano.

ARROZ IRRIGADO: O fenômeno La Niña está associado com chuvas abaixo da média e períodos de estiagens nas áreas produtoras de arroz do Sul do Brasil. Porém, considerando que vem de um período chuvoso, com a maioria dos reservatórios/barragens cheios e ainda tem as chuvas da primavera para completar nível, o indicativo do verão mais seco representa um cenário climático mais favorável para a próxima safra de arroz do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Lembrando que o principal problema da safra passada foi o excesso de chuva da primavera, devido ao El Niño.
Além disso, a previsão de redução das chuvas durante o inverno, com a incidência de períodos secos nas principais áreas produtoras de arroz irrigado do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina deve beneficiar o processo de drenagem e preparação do solo para o plantio, cujas atividades em grande parte se concentram nos meses de inverno, o que depois favorece o plantio que se inicia a partir de outubro.

ALGODÃO: O atraso no retorno das chuvas na primavera não deve representar grande problema na implantação da lavoura de algodão (safra) de Mato Grosso e da Bahia, pois depois durante o verão prevalece o padrão médio de chuvas o que não deve interferir no desenvolvimento das fases vegetativas. Porém, importante considerar a possibilidade do período de chuvas se prolonga até abril e meados de maio de 2011, o que em tese favorece a lavoura de algodão adensado/safrinha na fase vegetativa, mas por outro lado pode representar risco nas fases finais (abertura da pluma) e colheita. Portanto, em 2011 não deve se repetir o problema observado na safra passada, quando a falta de chuva em abril e maio acabou reduzindo o potencial de produção de algumas lavouras.

MILHO SAFRINHA: O fenômeno La Niña aumenta o risco para as lavouras do Paraná, Mato Grosso do Sul e de São Paulo, que enfrentam período de escassez de chuva durante o outono, assim como, não dá para eliminar o risco de frio(geada) a partir de maio. Já para as lavouras de Milho Safrinha de Mato Grosso e Goiás, o cenário climático é mais favorável, pois o período de chuvas deve se prolongar até abril e meados de maio de 2011. O cenário climático para a lavoura do Milho Safrinha 2011 muda, portanto, em relação ao observado em 2010. O cenário é mais favorável para as lavouras de Mato Grosso e Goiás, enquanto pode apresentar problemas e aumentar o risco para as lavouras do Paraná e de Mato Grosso do Sul.

CANA-DE-AÇÚCAR: O período seco mais definido e longo que vem sendo observado em 2010, sem dúvida tem favorecido o corte e o processo de moagem da cana-de-açúcar do Sudeste e do Centro-Oeste do Brasil. Porém, como o período seco está bem mais crítico (severo) e considerando a possibilidade do atraso no retorno das chuvas da primavera, isso deve afetar no desenvolvimento das plantas novas e assim comprometer a produção da safra de 2011. Ressaltando ainda, que em 2011 devido à presença do La Niña, o período de chuvas pode se prolongar até abril e meados de maio, retardando assim o início do corte/moagem.

CAFÉ e LARANJA: Neste ano (2010) o outono e o inverno mais secos e com temperaturas mais amenas, beneficiaram a finalização e a qualidade da safra, assim como tem favorecido o processo de colheita. Porém, como o período seco está bem mais crítico (severo) e considerando a possibilidade do atraso no retorno das chuvas, isso pode durante a primavera afetar no desenvolvimento das plantas e nas fases de floradas, comprometendo assim a produção da safra de 2011. 
LEITE e CARNE: Requer atenção, pois o período seco este ano começou antes e deve se estender pelo menos até outubro. Para o Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste do Brasil isso implica num período maior de suplementação alimentar dos animais. Isso diferencia completamente do ano passado(2009) que teve um período seco curto e com boa oferta de pastagem em praticamente todo ano. Essas condições devem influenciar diretamente na produção de leite e carne, com uma tendência de aumento do custo de produção. Nessas regiões as condições de produção de regularizam com o retorno das chuvas no verão.
Já para o Sul do Brasil as condições climáticas vão favoráveis até a primavera deste ano. Porém, como o La Niña está associado com escassez de chuvas no verão e podendo ainda se prolongar até o outono de 2011, se pode esperar um cenário mais adverso para a produção de pastagem no próximo ano, o que pode indiretamente afetar na produção de leite e carne dessa Região.

LAVOURA DA ARGENTINA E DO PARAGUAI: Assim como para as lavouras de soja do Sul do Brasil, na Argentina e no Paraguai em períodos de La Niña também se observa uma redução das chuvas e aumenta o risco de estiagens regionalizadas no verão. Para a safra 2011, portanto, muda o cenário climático em relação ao observado na safra passada, diminuindo em tese o potencial de produção.
Para a fase de plantio das lavouras de verão entre outubro e novembro não devem enfrentar grandes problemas, pois a primavera mesmo com a presença do La Niña, ainda é um período de boas chuvas. Porém, os produtores da Argentina devem considerar fortemente o risco de estiagem durante os meses de verão. Inclusive, a continuidade do La Niña remete para um outono também com chuvas abaixo da média.

LAVOURA AMERICANA (safra 2010): Definidas (favoravelmente) as condições de plantio das lavouras de soja e milho, daqui para frente às preocupações se voltam para a ocorrência e distribuição das chuvas durante o verão Americano. De um modo geral se pode afirmar que as condições climáticas se mostram favoráveis para produção das lavouras do Meio-oeste dos Estados Unidos. A tendência para este verão é de uma condição média, com elevação da temperatura e redução das chuvas. Cabe ressaltar apenas que, como é tico do verão americano, este ano podem ocorrer alguns períodos de estiagens regionalizadas, entre julho e agosto, principalmente nas áreas produtoras localizadas mais a oeste, incluindo parte dos estados de Nebraska, Iowa, e Missouri. A previsão da instalação do La Niña para o outono (H.N.) está associado com redução das chuvas, o que em tese deve favorecer o período de colheita a partir de setembro.

ENERGIA: Período seco mais longo nos reservatórios do Sudeste e do Centro-Oeste significa uma menor oferta de energia no segundo semestre de 2010, o que implica na manutenção da expectativa de elevação do preço da energia pelo menos até o final do ano. Para 2011, com a presença do La Niña, o cenário muda primeiramente para as Bacias Hidrográficas do Sul do Brasil, que a partir do verão entram em um período de deficiência de chuva. Para as Bacias Hidrográficas do Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e Norte, a previsão é de uma recuperação dos níveis com as chuvas do verão e do outono de 2011. O prolongamento do La Niña em 2011 é que vai definir o nível de problemas e riscos do Sistema para o segundo semestre. Lembrando que em períodos longos de La Niña (duração maior que um ano) o Sistema de Geração de Energia Hidrelétrica do Brasil apresenta deficiência.

Paulo Etchichury
 


TAGS


Galeria de Imagens


Comentários



Agron © 2017
Agronegócios online
Desenvolvido por Agron sob consultoria especializada criodigital | todos os direitos reservados.