busca
| | |




Você está em
autor Luiz Carlos
10/05/2010 14:35:35 - Atualizado em 10/05/2010 14:37:04 cadastre sua notícia/anúncio grátis

Notícias Notícia

Contra a maré (Commodities Agrícolas)

\"\"Apesar das preocupações dos traders em relação às turbulências no mercado financeiro e o potencial estrago na economia mundial, os preços futuros do café arábica encerraram em alta no pregão de sexta-feira, em Nova York. O mercado está tão volátil, disse Rodrigo Costa, vice-presidente institucional de vendas da Newedge, que é impossível prever para qual direção o mercado de café irá seguir. "Quem quer que diga que sabe, não sabe", disse o executivo em entrevista à Bloomberg. Na bolsa nova-iorquina, os contratos com vencimento em julho fecharam o dia a 133,90 centavos por libra-peso, queda de 70 pontos. Já no mercado interno, a saca de 60 quilos do grão ficou em R$ 287,67, com alta diária de 0,21%, segundo o indicador Cepea/Esalq. No mês, o café já acumula alta de 1,42%.

Ladeira abaixo. Os preços futuros do cacau recuaram na sexta-feira para o menor patamar em 13 meses, na esteira da derrocada das demais commodities no mercado internacional, influenciados por temores de que os problemas financeiros recentes da Grécia joguem por terra a recuperação econômica mundial. Na bolsa de Nova York, os contratos da amêndoa com entrega em julho encerraram o dia cotados a US$ 3.016 por tonelada, com queda de US$ 187 (5,8%). Segundo a Bloomberg, foi o maior recuo desde o pregão de 6 de abril do ano passado. Em Londres, os papéis para o mesmo período fecharam a US$ 2.349 por tonelada, recuo de 77 libras esterlinas. Em Ilhéus e Itabuna, o preço médio do cacau ficou em R$ 90,33 a arroba, segundo a Central Nacional dos Produtores de Cacau.

Demanda maior. Os contratos futuros do algodão subiram na sexta-feira, em Nova York, para o maior patamar em duas semanas, com preocupações de que a oferta global da pluma não acompanhará a demanda. Em entrevista à Bloomberg, Ray Butler, diretor da empresa de pequisas britânica Cotlook, disse que as importações da China devem aumentar no atual ano fiscal, iniciado em setembro de 2009, à medida que os estoques do país diminuem. Segundo ele, os estoques internacionais do algodão, de modo geral, deverão continuar em queda. Com isso, os contratos com vencimento em outubro fecharam na sexta a 78,30 centavos de dólar por libra-peso, alta de 24 pontos. No mercado interno, a libra-peso ficou em R$ 1,6021, recuo de 0,17%, segundo o Cepea/Esalq.

Avanço na Argentina. A produção argentina de trigo deverá subir para 12 milhões de toneladas no ano fiscal iniciado em 1º de dezembro, frente aos 9,6 milhões de toneladas do ano anterior, segundo o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA). As exportações do cereal podem subir para 6,5 milhões de toneladas em 2011, acima da estimativa de 4 milhões de toneladas para este ano. A Argentina está entre os maiores produtores de trigo do mundo. Na bolsa de Chicago, o contrato com vencimento em julho fecharam a sexta-feira a US$ 5,1050 por bushel, alta de 2,25 centavos. Em Kansas, que comercializa o trigo americano de melhor qualidade, a alta para o mesmo papel foi de 1,50 centavo, para US$ 5,21 por bushel. No Paraná, a saca ficou em R$ 23,54, com alta de 0,47%, segundo o Deral.

 

Fonte: Valor Econômico


TAGS


Galeria de Imagens


Comentários



Agron © 2017
Agronegócios online
Desenvolvido por Agron sob consultoria especializada criodigital | todos os direitos reservados.