busca
| | |




Você está em
autor Luiz Carlos
09/04/2010 10:29:22 - Atualizado em 09/04/2010 10:30:15 cadastre sua notícia/anúncio grátis

Notícias Notícia

Commodities Agrícolas

\"\"Pressão do dólar. Os preços futuros do café fecharam em baixa pelo terceiro dia consecutivo na bolsa de Nova York. Os contratos com vencimento em julho terminaram o pregão de quinta-feira cotados a US$ 1,3645 por libra-peso, retração de 280 pontos - a maior da semana - em relação ao dia anterior. A nova valorização do dólar no mercado internacional estimulou um movimento de vendas especulativas, o que pressionou as cotações do café, segundo a Dow Jones Newswires. Analistas consideram que os fundamentos não mudaram e o mercado segue sustentado pela menor oferta mundial de café, porém, pressionado pela grande safra brasileira próxima de ser colhida. No mercado doméstico, o indicador Cepea/Esalq fechou o dia a R$ 279,96 por saca, queda de 1,76%.

Saída dos fundos. O aumento das vendas de posições pelos fundos e traders fizeram as cotações do suco de laranja recuarem novamente na bolsa de Nova York na quinta-feira. Os contratos com vencimento em julho fecharam em 128,65 centavos de dólar a libra-peso, forte desvalorização de 410 pontos. Os especuladores estão liquidando suas posições compradas pela falta de notícias positivas, segundo analistas ouvidos pela Bloomberg. O volume acumulado nas duas últimas sessões subiu para 10,489 mil contratos, o maior nível em quase três meses. Hoje, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos pode manter sua estimativa para a safra de laranja na Flórida inalterada. No mercado interno, a caixa da laranja pera in natura subiu para R$ 17,60, segundo o Cepea/Esalq.

Avanço do plantio. Especulações em relação ao clima motivaram a queda das cotações do milho na bolsa de Chicago na quinta-feira. Os contratos com vencimento em julho fecharam a US$ 3,595 o bushel, recuo de 8,25 centavos. Segundo a Bloomberg, a desvalorização se deveu a notícias de que o clima quente e seco na região central dos EUA irá permitir aos produtores plantar rapidamente, podendo chegar à maior safra do país. Quanto mais rapidamente a safra é plantada, maior é a chance de a cultura maturar antes de as temperaturas frias chegarem, disseram analistas. O declínio foi causado também por especulações de que o governo chinês pode vender estoques de milho, aliviando a escassez no país. No mercado interno, a saca saiu a R$ 18,27, alta de 0,5%, segundo o Indicador Cepea/Esalq.

Concorrência acirrada. Os futuros de trigo na bolsa de Chicago caíram, na quinta-feira, com o arrefecimento da demanda pelo cereal americano. Os papeis para julho fecharam a US$ 4,8250 o bushel, queda de 6,25 centavos. Em Kansas, o mesmo contrato fechou em US$ 4,9625, recuo de 6,75 centavos. Segundo a Bloomberg, a demanda pelo trigo dos Estados Unidos está enfraquecida porque produtores concorrentes estão oferecendo o cereal a preços mais competitivos. Nesse cenário, portanto, pesa também o ganho do dólar em relação à cesta das principais moedas do mundo, que está reduzindo a atratividade das exportações americanas. No mercado interno, o preço do trigo ficou estável em R$ 23,67 a saca de 60 quilos no Paraná, segundo o Departamento de Economia Rural da Secretaria de Agricultura do Estado.


TAGS


Galeria de Imagens


Comentários



Agron © 2017
Agronegócios online
Desenvolvido por Agron sob consultoria especializada criodigital | todos os direitos reservados.