busca
| | |




Você está em
autor Luiz Carlos
07/04/2010 15:26:24 - Atualizado em 07/04/2010 15:27:18 cadastre sua notícia/anúncio grátis

Notícias Notícia

Indústria de sementes obtém lucro, apesar da queda da soja

\"\"O câmbio reflete no preço e o produtor brasileiro ainda carece do hábito de trabalhar com mercado futuro.
 
O aumento da produção de soja no Brasil chegou, neste ano, acompanhado de preocupação. A supersafra, estimada pela Companhia Nacional de Abastecimento em 67,6 milhões de toneladas -18,2% maior que em 2008/9-, se depara com alta produtividade também nos países concorrentes, resultando na queda do preço mundial do grão.

Na contramão do mercado, o segmento de sementes de soja está crescendo e já contabiliza bons retornos. Com o preço da saca de soja comercial caindo, a maior parte dos produtores não terá resultado neste ano, mas nós teremos, diz Harald Kudiess, sócio da J&H sementes, empresa de Correntina, cidade do oeste baiano, divisa com Goiás.

A produção da empresa cresceu 50% no último ano e deve fechar 2010 em 1,5 milhão de sacas, cerca de R$ 90 milhões de faturamento. São 14,5 mil hectares plantados de área própria, além do cultivo em propriedades cooperadas.

Para Kudiess, o problema no Brasil hoje não é de tecnologia nem de produtividade. É o câmbio, que não dá alegria para ninguém. Com o real forte, o produto brasileiro perdeu competitividade no mercado internacional, afetando diretamente os produtores. Apesar disso, ele não espera redução na procura por sementes e na produção de soja. Há muito investimento feito. Nós e muitos produtores não podemos mudar de cultivo.

Segundo Claudimir Justi, produtor de soja da mesma região há seis anos, o cultivo da oleaginosa é atraente devido a sua maior liquidez. Ele diz que a resposta dos produtores para a queda dos preços será um 2011 com menos investimentos e, consequentemente, menor produtividade.

O câmbio reflete no preço e o produtor brasileiro ainda carece do hábito de trabalhar com mercado futuro, afirma.

Conforme pesquisa da Folha, a saca de 40 kg de soja no mercado interno caiu de R$ 42 em 2009 para R$ 31 em abril deste ano. O custo da produção, porém, não recuou. Segundo produtores do Centro-Oeste e da Bahia, em áreas de cultivo antigo cada hectare produz 60 sacas, mas consome até 50 sacas com os insumos.

Enquanto os produtores do grão colocam o pé no freio, a J&H continua investindo. Para responder à demanda, a empresa recebeu na semana passada 20 colheitadeiras New Holland compradas por R$ 14 milhões, 70% financiados pelo Banco do Nordeste.

O objetivo é elevar de 85% para 90% a qualidade das sementes debulhadas. A J&H é licenciada pela Monsanto e 60% de sua produção é de sementes transgênicas.


Fonte: Folha de São Paulo


TAGS área


Galeria de Imagens


Comentários



Agron © 2017
Agronegócios online
Desenvolvido por Agron sob consultoria especializada criodigital | todos os direitos reservados.