busca
| | |




Você está em
autor Luiz
05/04/2010 21:21:40 - Atualizado em 05/04/2010 21:21:40 cadastre sua notícia/anúncio grátis

Notícias Notícia

O mst e o crime

O presente artigo foi escrito por Reinaldo Azevedo e retrata editorial  polêmico do Estadão sobre "os crimes do MST"


O Estadão publica hoje um bom editorial sobre “os crimes anunciados do MST”. Volto em seguida:
*
“Vamos romper cercas, ocupar propriedades e montar acampamentos na área rural, fazer caminhadas e ocupar prédios públicos na área urbana.” Foi esse o singelo anúncio que o líder do Movimento dos Sem-Terra (MST) nordestino, Jaime Amorim, fez do “Abril Vermelho”, que pretende “radicalizado”, e que os militantes pernambucanos estrearão dia 17.

A estranheza se deve apenas ao fato de o MST ter mudado sua política de “hibernação” eleitoral, ou seja, a contenção de suas atividades agressivas e criminosas no período eleitoral, para que estas não prejudiquem seus aliados e patrocinadores no Poder.

Essa contenção se deu em 2002 e em 2006 - na eleição e na reeleição do presidente Lula, o governante que, indiscutivelmente, tem dado apoio decisivo à sobrevivência e desenvolvimento dessa organização ilegal que tem no esbulho possessório seu método de ação social principal.

Por que teria mudado a política do MST, a ponto de planejar ações e confrontos justamente no ano em que o presidente Lula faz o maior esforço para eleger como sua sucessora uma candidata, digamos, nada fácil?

Sabendo-se do notório repúdio que causam aos homens de bem do País as invasões, destruições de plantações, depredações de equipamentos, saques, matanças de animais, cárcere privado imposto a empregados de fazendas e outros atos de vandalismo praticados habitualmente por militantes do MST e assemelhados, não saberão estes de suas negativas repercussões eleitorais, especialmente para uma candidata que tem no currículo o registro de atos de violência, de motivação político-ideológica?

Apesar de ser um “dissidente” do MST, José Rainha Junior afirmou que os acampamentos dos sem-terra no Pontal do Paranapanema serão transformados em “comitês pró-Dilma”. Quer dizer, não há mais qualquer disfarce no engajamento político emessetista - o que, certamente, deve deixar arrepiados os marqueteiros da candidata presidencial petista.

A única explicação que se pode dar para essa mudança de tática eleitoralmente contraproducente - da hibernação para o retorno à agressão - será uma tentativa de reversão do esvaziamento do movimento, provocado, de um lado, pela debandada de militantes e, de outro, pela ação repressiva e punitiva dos Poderes Públicos, a que os sem-terra não estavam acostumados.

Para muitos, as lideranças do MST passaram a ter dificuldades em arregimentar militantes entre a população de baixa renda em razão do sucesso do Bolsa-Família. Seja como for, qualquer melhoria no padrão de renda da população - e ela houve - seria um desestímulo à participação nas invasões de propriedades rurais, especialmente para pessoas das periferias das cidades que jamais tiveram experiência de trabalho no campo.

Quanto à cobrança dos Poderes Públicos, é o principal dirigente do MST, João Pedro Stédile, que se propõe a uma ampla mobilização contra o que chama de “criminalização” dos movimentos sociais. Aí ele inclui as denúncias do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre irregularidades no repasse de verbas públicas para entidades ligadas aos sem-terra (no caso, suas cooperativas laranjas), a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do MST no Congresso, os pronunciamentos do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, contra as invasões de terras, as liminares de reintegração de posse concedidas pela Justiça nos Estados, seu cumprimento por parte das polícias militares estaduais e, como não poderia deixar de ser, a atuação da mídia (que, surpreendentemente, tem cobrado o respeito à lei).

Vê-se, pois, que os sem-terra têm razões que a razão eleitoral não entende. Se a ação principal do Movimento dos Sem-Terra, seus dissidentes e assemelhados é o esbulho, a invasão da propriedade, privada ou pública, têm eles motivos reais de preocupação, ao verificar que as 103 invasões que praticaram em 2004 minguaram para 74 em 2007 e para apenas 29 em 2009.

Se a situação é essa, é bem provável que os líderes do MST ouçam de seus travesseiros a sussurrada frase: “Danem-se as eleições.”

Comento
No geral, o editorial está correto ao afirmar que o MST está fazendo o anúncio dos crimes que vai cometer — uma cadeia deles, na verdade.

Quanto à (in)eficácia eleitoral, aí precisamos ver. No caso de São Paulo, é visível que o movimento busca fazer no campo o que Bebel faz na cidade de São Paulo: criar distúrbio e “provocar a reação” da polícia — quem sabe um cadáver para ser exibido como um troféu! José Rainha tem lá as suas dissensões com o comando do MST, mas elas são relevantes apenas naquele estranho ambiente em que transitam os “maoístas” financiados com verbas do Orçamento.

Fonte: Blog Reinaldo Azevedo

Qual sua opinião sobre esse tema?

Quer deixar seu comentário?

Se você já é cadastrado faça seu login. Ou cadastre-se no Agron Agronegócios online. Além de deixar sua mensagem você pode anunciar gratuitamente produtos e serviços para o agronegócio e o meio rural.


TAGS



Comentários



Agron © 2017
Agronegócios online
Desenvolvido por Agron sob consultoria especializada criodigital | todos os direitos reservados.