busca
| | |




Você está em
autor Carine Colim
10/12/2019 09:32:20 - Atualizado em 10/12/2019 09:32:20 cadastre sua notícia/anúncio grátis

Informações Artigos técnicos

Volatilidade na veia!

Nas últimas semanas já tínhamos alertado para o fato de que a única certeza possível de se ter com relação ao mercado futuro era de que a volatilidade iria aumentar muito. Essa não era uma previsão muito difícil de se fazer, já que viemos de uma alta de praticamente 30% nos preços do mercado físico nos últimos 30 dias, trazendo o boi de ao redor de R$165,00/@ em São Paulo para os atuais R$220,00/@, negociados nos últimos dias. Tamanho movimento trouxe uma volatilidade boçal para os futuros, com movimentos de até R$12,00/@ em um mesmo dia, quando consideramos a diferença entre a cotação mínima e máxima intradiária de vencimentos mais líquidos.

Nessa procura pelo novo patamar de equilíbrio dos preços, o que é caro hoje se torna barato amanhã e soma-se a isso diversos pecuaristas tirando seus bois da escala de abate, e ofertando às outras indústrias por um preço maior, criando uma situação bizarra de “escala de abate negativa” ou seja, conforme os dias passam, ao invés de a escala caminhar para frente, ela caminha para trás. Além de toda essa confusão no físico, o mercado futuro já teve três pregões em limite de alta, posteriormente expandidos e atingindo o novo limite de negociação.

A volatilidade atual é maior até mesmo do que a enfrentada nos momentos posteriores ao famoso “Joesley Day” ou a operação Carne Fraca em 2017. Essa situação chegou a um tal extremo que muitos market makers não estão nem interessados em dar preços para opções, ou quando o fazem, oferecem custos tão caros que na prática acabam inviabilizando as negociações.

O resultado disso é um mercado disfuncional, que acaba não podendo ser usado para seu propósito primordial, que é possibilitar o gerenciamento do risco de preços para os envolvidos a cadeia pecuária. Infelizmente enquanto um mínimo de racionalidade e equilíbrio não forem reestabelecidos no mercado físico, a situação do mercado futuro será essa ou até pior.

Era consenso a reclamação da falta de volatilidade de janeiro ao início de outubro desse ano, porém, o excesso dela também se torna prejudicial. Seguimos na torcida para que algum meio termo entre essas duas realidades seja a nova rotina do mercado.

Fonte: Scot Consultoria. Por: Leandro Bovo.


TAGS volatilidade , Mercado , boi gordo , oferta , demanda


Galeria de Imagens


Comentários



Agron © 2019
Agronegócios online
Desenvolvido por Agron sob consultoria especializada criodigital | todos os direitos reservados.