busca
| | |




Você está em
autor João Ramos
03/01/2010 16:21:29 - Atualizado em 03/01/2010 16:22:11 cadastre sua notícia/anúncio grátis

Notícias Notícia

País deve manter liderança nas vendas de carnes

Apesar de a recuperação da demanda externa por carnes caminhar de forma mais lenta do que o esperado inicialmente, há otimismo em relação a 2010 entre os agentes do setor. Para representantes da indústria, associações e analistas, é possível que as exportações retornem a níveis pré-crise no próximo ano, pelo menos em volume. Quanto à receita, o câmbio apreciado deve dificultar uma retomada mais significativa. Mas o dólar baixo, que em alguns momentos de 2009 chegou a ameaçar a excelência brasileira no segmento de aves, não deve ser suficiente para afetar a competitividade do País a ponto de retirá-lo da primeira posição como maior fornecedor mundial de carne de frango e bovina.

 

A disponibilidade de recursos naturais para expansão da agropecuária e o baixo custo dessa atividade no País sustentam a competitividade da indústria de carnes nacional. Especialistas e agentes do setor são unânimes ao afirmar que, com uma taxa de câmbio mais favorável às exportações, o desempenho do setor poderia ser melhor, com uma rentabilidade mais elevada. Mas um dólar baixo não deixa o Brasil fadado ao fracasso. O problema, apontam, é a volatilidade do câmbio. A partir do momento em que a taxa se estabilizar, ainda que em um patamar baixo, os produtores terão condições de se ajustar à nova realidade de produção.

 

''A competitividade do Brasil não está lastreada no nível do câmbio. Em boa parte dos anos de 2007 e 2008, estivemos com um câmbio muito próximo ao que estamos hoje. O problema é quando o movimento ocorre de maneira muito rápida'', afirma o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da BRF-Brasil Foods, Leopoldo Saboya. ''Temos disponibilidade de matéria-prima, espaço para crescer e não temos problemas de sanidade. Esse é o contexto geral da nossa competitividade. Não é o câmbio quem vai mudar estruturalmente o quadro competitivo.''

 

O executivo admite que o atual patamar do câmbio pode ter deixado o frango norte-americano mais competitivo, mas isso não significa que os Estados Unidos roubarão espaço significativo do Brasil no comércio mundial dessa proteína. Já o presidente da Sadia, Julio Cardoso, apesar de não apostar em um crescimento muito rápido das exportações norte-americanas, até por conta do tamanho daquele mercado doméstico, afirma que a competitividade brasileira pode, sim, estar ameaçada.

 

O presidente da Associação Brasileira dos Exportadores de Frango (Abef), Francisco Turra, também apresenta uma visão menos otimista para 2010, apesar de apostar em crescimento do setor. ''Mesmo que você continue na liderança (como exportador), permanecer líder com o mercado sem rentabilidade, ou com baixa rentabilidade, é triste'', afirma. Hoje, o Brasil responde por 41% do comercio mundial de carne de frango, ante 37% dos Estados Unidos.

 

Turra evita conceder estimativas para crescimento do volume de vendas no próximo ano, mas atrela uma retomada mais significativa a uma mudança na taxa de câmbio. A taxa média de crescimento dos últimos oito anos, até 2008, foi de 11% em volume e de 15% em receita.

 

No segmento de carne bovina, há mais otimismo, inclusive em relação ao comportamento da taxa de câmbio. ''Tenho certeza de que novas medidas cambiais poderão ser tomadas no Brasil. Acredito que a taxa de câmbio retorne ao patamar de R$ 2,00 em 2010'', diz o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Roberto Gianetti da Fonseca, que é economista especializado em comércio exterior.

 

''O Brasil deve seguir se consolidando como maior exportador de carne bovina em relação aos concorrentes'', acredita o presidente do frigorífico Minerva, Fernando Galletti de Queiroz. Ele observa que a desvalorização do dólar acontece em relação às moedas da maioria dos países em desenvolvimento, o que minimiza os efeitos do câmbio sobre a formação dos preços.

 

Outro ponto que deve garantir a liderança brasileira nas exportações de carne bovina é a limitação de aumento de produção em demais países produtores. ''O mundo já está numa dependência muito grande da carne bovina brasileira, que responde de 30% a 33% do mercado mundial'', afirma o analista Fabiano Tito Rosa, da Scot Consultoria. ''Estando ela mais competitiva ou menos competitiva, não dá mais para abrir mão da carne brasileira'', diz.

Fonte: Folha de Londrina


TAGS Dumping



Comentários



Agron © 2016
Agronegócios online
Desenvolvido por Agron sob consultoria especializada criodigital | todos os direitos reservados.